Meu marido, um voyeur

Ol? para todos, sou a Danielle tenho 23 anos e sou casada com o Ronny a quase 3 anos. Quero avisar a todos, principalmente as mulheres casadas que estiverem come?ando a ler esta hist?ria que se tiverem rigidos principios morais fechem o texto agora e n?o o leiam. Agora se estiverem dispostas a quebrar velhos tabus v?o em frente pois assim como voc?s tamb?m norteei minha vida com muita moralidade at? o dia em que ocorreu esse evento, e a pedido do meu marido escrevi e aqui estou publicando.

Um dia meu marido me falou sobre manage, como nasci e me criei no interior eu nem sabia direito o que era, ent?o ele me explicou que muitos casais convidam outra pessoa para juntos se divertirem, sexualmente falando. Fiquei furiosa com ele pois pensei que ele estivesse querendo transar com outra mulher, ent?o num impulso de raiva perguntei a ele o que sentiria se eu transasse com um outro homem e fiquei mais perdida ainda quando ele me respondeu, tes?o muito tes?o. N?o disse nada apenas fiz sinal de negativo com a cabe?a e fui dormir. O Ronny veio logo depois m?s eu fingi que estava dormindo pois queria pensar direito naquela conversa. E fui noite adentro pensando, as vezes eu conclu?a que meu marido n?o me amava mais, outras vezes ficava pensando em como seria transar com outro homem. A noite passou e na manh? seguinte meu marido me pediu desculpas pelo que disse, eu perguntei se ele ainda me amava como antes, e ele jurou que seu amor em nada tinha mudado que eu poderia ter certeza disso, ent?o eu o abracei e beijei muito porque tamb?m o adoro demais.
Ele viajou naquela tarde e ficou fora 10 dias, apesar de conversarmos todos os dias por telefone eu j? n?o ag?entava mais de saudades, n?s trans?vamos quase todos os dias e 10 dias sem ele era para mim uma tortura j? que aos 22 anos, sexo ? coisa que vinha a cabe?a toda hora, inclusive eu ansiava para que tocasse naquele assunto novamente, mas ele n?o falou mais nada sobre aquilo.
Numa sexta-feira o Ronny anunciou que no dia seguinte estaria de retorno e que me levaria a um motel para matarmos a saudade, fiquei t?o feliz e desde que acordei no s?bado tratei de cuidar de mim, fui ao sal?o de beleza, fiz massagens, me depilei toda como ele gosta e at? comprei lingerie nova para juntos comemorarmos a sua volta.
Assim que ele chegou no s?bado a tarde tomou banho e fomos jantar, de tanta ansiedade n?o comi quase nada, pois n?o via a hora de irmos ao motel, ainda mais que ele prometia ser aquela noite inesquec?vel. Quando chegamos ao motel ele me deixou dentro do carro e entrou na recep??o e l? demorou uns 15 minutos, quando voltou desculpou-se pela demora e disse que estava fazendo o pedido da bebida que tomar?amos na su?te. Entrarmos ele foi logo tirando minha blusa e a sainha que eu usava, e fiquei muito feliz por ter notado e elogiado minha lingerie, era uma tanguinha bem pequena e delicada e um suti? meia ta?a, que segundo ele ficou muito sexy em mim. Notei que o elogio era sincero porque senti que seu p?nis fazia volume ao encostar em meu bumbum, ent?o o chamei, sentei ao lado da cama e tirei sua roupa. Ao ver que ele j? estava excitado eu comecei a masturba-lo, ele colocou as duas m?os em minha cabe?a e eu entendi o que ele queria, alias eu tamb?m estava querendo sentir o seu p?nis na boca. Comecei a fazer sexo oral e estava tudo t?o excitante que nem percebi quando bateram na porta da su?te. Meu marido afastou minha cabe?a e disse que deveria ser o gar?on trazendo a bebida que ele havia pedido e mesmo pelado foi atender ? porta. Fiquei sentadinha na cama aguardando ele voltar para continuarmos com aquele ato que estava me dando tanto prazer.
Escutei outra voz masculina conversando com meu marido na ante-sala e logo o vi entrando no quarto junto com um rapaz de pele castanha escuro, alto, forte, parecendo um seguran?a, trajando apenas uma sunga exageradamente cavada. Trazia em sua m?o uma bandeja com o champagne e duas ta?as. Enquanto colocava a bebida nas ta?as o Ronny aproximou-se de mim, estendeu a m?o, me levantou da cama e me beijou, eu falei a ele com tom ir?nico, que aquilo ? que era servi?o de quarto, me referindo ao rapaz. Meu marido deu um sorriso maroto disse que eu ainda n?o tinha visto nada. O rapaz encheu as ta?as, deu uma ao meu marido e com a outra veio em minha dire??o, estendi a m?o para pegar ele me pediu para por a bebida em minha boca. Olhei para o Ronny e ele fez sinal de afirmativo com a cabe?a. O rapaz se posicionou atr?s de mim e levou a ta?a at? minha boca, enquanto eu bebia, ele com a outra m?o acariciava meu ombro. O Ronny que j? tinha largado sua ta?a no balc?o me olhava e ao mesmo tempo massageava o pr?prio pinto. Veio at? n?s e pegou a ta?a da m?o do rapaz, que aproveitou para com as duas m?os massagear meus ombros. Imaginei tratar-se de um daqueles massagistas profissionais que atendem em domic?lio e que eu receberia uma gostosa massagem relaxante antes do sexo. Confesso que estava muito bom sentir aquelas m?os grandes massagearem meus ombros e por um momento at? esqueci que nos encontr?vamos num motel, meu marido pelado e eu apenas de roupas ?ntimas sendo massageada por um homem que eu nunca tinha visto.
Fui surpreendida quando as m?os do rapaz seguraram meus seios. Me assustei, ao mesmo tempo me arrepiei toda, pois voltou a minha cabe?a o motivo pelo qual est?vamos no motel. Abri rapidamente os olhos e quando ia fazer uma reclama??o pela ousadia notei que o Ronny se masturbava a toda velocidade, ent?o ainda meio confusa n?o esbocei rea??o alguma. A confus?o na minha cabe?a aumentou ainda mais quando o rapaz desabotoou meu suti? e tirou-o do meu corpo, voltando a segurar meus seios e aperta-los firme mais carinhosamente. A? num impulso de moralidade olhei preocupada para o Ronny, que percebendo minha rea??o parou de se masturbar, aproximou-se, me beijou e disse que eu sou o grande amor da vida dele. Pensem o desconserto das minhas id?ias, eu ouvia as palavras de carinho do meu marido e sentia as m?os grandes daquele estranho espremerem meios seios, era uma confus?o total na minha cabe?a.
O Ronny afastou-se um pouco e eu senti as m?os do rapaz deslizar pela minha cintura deixando enroscar os polegares nas cordinhas laterais da minha tanguinha e assim ele foi baixando as m?os pelas minhas pernas abaixando junto minha lingerie at? o meio das coxas. O Ronny mais uma vez interrompeu sua masturba??o, ajoelhou-se na minha frente e terminou de tirar a ?ltima pe?a de roupa que cobria meu corpo, depositando-a sobre a cama.
Imaginem voc?s, eu estava totalmente nua na frente de um homem estranho quase nu, meu marido tamb?m pelado, excitado e se masturbando, voc?s conseguem imaginar a cena? O rapaz saiu de tr?s de mim e veio at? a minha frente onde os dois ficaram olhando meu corpo, o rapaz comentou que eu parecia uma menininha, imaginei que ele estava se referindo ao meu sexo por eu estar toda depilada.
Meio que involuntariamente eu olhei em dire??o da cintura do rapaz e vi que a sunga dele j? n?o mais comportava ocultar por completo o volume que se formou dentro dela. Na minha cabe?a passavam-se mil pensamentos, por um lado os princ?pios morais me cobravam uma rea??o imediata de rep?dia aquilo tudo, e por outro lado meu corpo estava todo excitado e eu tremia inteirinha. Novamente o rapaz veio atr?s de mim, e com o canto dos olhos vi sua sunga cair sobre a cama ao lado da minha lingerie. Me contive a n?o olhar para o corpo do rapaz temendo n?o poder me controlar, pois j? imaginava o que a sunga estava ocultando, por isso me limitei a continuar im?vel, talvez esperando compreender melhor aquela situa??o. Fiquei paralisada quando ele novamente pos as m?os sobre meus ombros, a? decidi que mesmo excitada daquele jeito colocaria um fim naquela cena. Abri meus olhos procurando em meu marido reunir mais for?as para resistir a tenta??o m?s o vi olhando atentamente para n?s, masturbando freneticamente o pr?prio pinto, e como se n?o bastasse senti o membro duro do rapaz encostar no meu bumbum e a? n?o tive mais for?as de lutar pela moralidade. O Ronny se aproximou e levou a m?o at? meu sexo, e sorriu para mim ao ver o quanto eu estava excitada, pediu que eu abrisse as pernas para que pudesse tocar melhor em mim, ao fazer isso o rapaz aproveitou para empurrar o seu membro entre as minhas coxas, me deixando ?montada? sobre o seu pinto. Era demais sentir a pulsa??o do seu membro entre as pernas, O Ronny ainda apertava a cabe?a do pinto do rapaz contra o meu sexo, de t?o molhada que eu estava ele quase conseguiu penetrar em mim a ponta do pinto, mesmo eu estando em p?. N?o resisti e tive o maior dos orgasmos ali mesmo, lambuzando ao mesmo tempo o p?nis do rapaz e a m?o do Ronny que insistia em pressionar daquele pinto contra o meu sexo. Foi um orgasmo t?o intenso que me faltou for?as nas pernas e se o rapaz n?o me segurasse pela cintura teria ca?do no ch?o. Me levantou nos bra?os, colocou-me de bru?os na cama e come?ou a beijar meu bumbum e logo estava passeando com a l?ngua pelo meu sexo, apesar da intensidade do orgasmo que acabara de ter n?o consegui parar de sentir prazer, com os olhos fechados escutava o barulho que meu marido fazia ao se masturbar bem do meu lado.
O rapaz parou de me chupar pegou um edredon, estendeu no ch?o e me pos de joelhos sobre a coberta, sentou-se ao lado da cama abriu as pernas e me chamou para dentro delas, foi a? que eu tive a vis?o do para?so ao ver aquele pinto, grande, grosso e rijo, as bolas penduradas para fora da cama davam a impress?o de estarem pesadas, cheias de esperma dando a entender que aquele rapaz precisava e muito de sexo. De joelhos entre suas pernas e sem conseguir desviar o olhar do seu membro escutei ele dizendo ao meu marido que queria ser manipulado. O Ronny passando a m?o no meu cabelo me mandou (com estas mesma palavras) ?bater punheta? para o rapaz, segurei no seu membro e comecei a masturba-lo e parecia que quanto mais eu o manipulava mais duro ficava. O Ronny acompanhava tudo de perto fazia pequenas pausas em sua masturba??o dizendo estar a ponto de gozar, o rapaz, me mandava ?tocar punheta? e olhar para o meu marido e mostrar a ele como seu pau estava duro com o meu carinho. Senti as duas m?os do rapaz segurarem minha cabe?a e a puxando em dire??o ao seu membro, foi s? abrir a boca e receber a ponta do seu p?nis que pulsava ao contato da minha lingua. Por v?rios minutos me entreguei de corpo e alma ?quele ato de olhos fechados apenas ouvindo os gemidos do meu marido se masturbando e do rapaz que insistia em colocar o que podia aquele p?nis dentro da minha boca, muitas vezes quase me afogando. Escutei meu marido dizer alguma coisa que n?o entendi e com o pinto na boca olhei para ele, e num segundo fui alvejada no ombro e nas costas por jatos fortes de esperma vindo do seu pinto, gemendo gozava muito me pedindo para continuar chupando o rapaz, sem tirar o p?nis da boca vi o pinto do meu marido ir aos poucos diminuindo a intensidade dos jatos at? ficar apenas gotejando esperma no carpet, ele continuava gemendo e quase chorando de prazer, balan?ando seu penis que agora um pouco menos duro mas ainda volumoso.
Assim que o Ronny terminou de gozar, o rapaz afastou minha cabe?a do seu membro, levantou-se e cobriu com o hedredon um balc?o que tinha no meio do quarto, me pos sentada sobre o balc?o e posicionou-se entre minhas pernas, meu marido atr?s de mim me apoiava as costas e enquanto brincava com meus seios o rapaz passava a ponta do pinto no meu sexo, me deixando maluca. Ent?o vagarosamente foi for?ando a entrada daquele membro no meu corpo. Meu sexo n?o estava acostumado com aquele tamanho e mesmo muito excitada n?o conseguia relaxar o suficiente para acolher aquele colosso dentro de mim. Mas com muita paci?ncia ele foi me invadindo lentamente e apesar do aspecto rude o rapaz foi ganhando a minha confian?a e carinhosamente colocando seu pinto dentro de mim me fazendo ter v?rios orgasmos durante a penetra??o. Assim que introduziu grande parte do membro ele parou um pouco e deixou meu corpo se acostumar s? ent?o deu in?cio aos movimentos de vai e vem me fazendo perder o ju?zo e gozar alucinadamente aos gritos com o meu marido mordendo a ponta da minha orelha. Por quase uma hora meu corpo foi explorado pelo rapaz, quando anunciou que ia gozar me deitou no balc?o e encostou a ponta do pinto quase explodindo na minha boca e mal eu passei a l?ngua ele come?ou a despejar esperma na minha boca, era tanto liquido que precisei engolir um pouco para n?o me afogar. Apontou o pinto para os meus seios e ali soltou mais uma esguichada e acabou em cima do meu sexo e nas coxas, depois ainda subiu novamente com o membro j? um pouco mais mole e espalhou esperma por todo o meu rosto.
Me elogiou muito como mulher e foi tomar banho. O Ronny me pegou nos bra?os e deitou-me na cama e novamente me deu mais uma prova do seu grande amor pois n?o teve preconceitos de beijar minha boca e meu rosto mesmo eu estando toda lambuza de esperma de outro homem. Pegou a c?mera e tirou v?rias fotos para somente depois me enxugar. Assim que o rapaz voltou do banho fomos eu e meu marido para o chuveiro a? procurei retribuir um pouco do prazer que eu havia sentido, masturbei e chupei seu p?nis at? faze-lo gozar na minha boca provando que a partir daquele dia eu come?ava a gostar de sentir esperma nos l?bios, at? n?o pelo gosto mas por sentir que nos mulheres mesmo com nossa fragilidade conseguimos atravez de nossa delicadeza e maciez acalmar corpos tesos e rudes.
Quando terminamos nosso banho, havia mais uma garrafa de champagne sobre a mesa, tomamos e eu estava morta de cansa?o deitei e peguei no sono ouvindo os dois conversando na ante-sala. Acordei no outro dia estava morrendo de fome, escutei barulho do meu marido arrumando a mesa na ante-sala, levantei e me deparei com uma mesa linda super arrumada e cheia de del?cias. Um lindo buquet de flores enfeitava o meu lugar, com o buquet um cart?o agradecendo pela noite, assinado pelo nosso mais novo amigo. Sob a minha x?cara uma caixinha preta com um maravilhoso anel, presente do meu marido com muitas juras de amor. Com todos esses mimos e fiquei devedora pois tamb?m tive a maior noite de prazer da minha vida.

Gostaria muito que me escrevessem dando suas opini?es pois apesar de todo prazer sentido e constante insentivo do meu marido, ainda tenho d?vidas se devemos prosseguir com esse novo estilo de vida. danidubock@hotmail.com.


Beijos Danielle.
100% (3/0)
 
Posted by gatawferra
2 years ago    Views: 356
Comments
Reply for:
Reply text
Please login or register to post comments.
No comments